Com toda certeza você conhece a parábola do semeador, normalmente a utilizamos como texto base para pregações ou estudos cuja temática aborda o chamado de Jesus para pregarmos e anunciarmos o evangelho. Mas vamos refletir hoje em outro ponto desta parábola.

Antes de explicar o significado da parábola aos discípulos o Mestre afirma que Ele anunciava as verdades do reino por meio de parábolas a fim de que se cumprisse a profecia de Isaías: "Ouvis, de fato, e não entendeis, e vedes, em verdade, mas não percebeis" (Isaías 6:9).

Embora Cristo apresente a figura do semeador, o elemento principal da parábola é a terra onde a semente é lançada e o Mestre nos apresenta quatro tipos diferentes de solo. Mas não se engane, para Jesus não há outro solo ideal a não ser aquele que produz frutos.

É extremamente interessante o fato do evangelista Marcos ter inserido a declaração de Jesus acerca da profecia antes da explicação da parábola, pois se voltarmos ao profeta perceberemos que o povo ouvia, mas não entendia, via, mas não percebia, pois o seu coração estava farto dos prazeres do mundo.

"Engorda o coração deste povo, e faze-lhe pesados os ouvidos, e fecha-lhe os olhos" (Isaías 6:10), assim como o solo cheio de pedras e espinhos, o coração do povo estava cheio dos cuidados desta vida, cheio de pecados e de todo tipo de prazeres mundanos de forma que sua mente não era capaz de discernir as verdades do Reino e, desta maneira, se tornava estéril.

Hoje não é diferente, o Mestre nos alerta para o risco de tornarmos nossos coração indisposto à palavra. Para Cristo o solo cheio de pedras é tão inútil quanto o solo cheio de espinhos, pois em ambos os corações a palavra não germina e não produz fruto algum.

Somente está apto ao discipulado o homem e a mulher cujo coração é solo fértil ao evangelho, à mensagem da cruz. Homens e mulheres que compreenderam que o seu tesouro está em Deus e, portanto, nada neste mundo pode arrancar a semente de seu coração.

Assim como o povo que ouvia a mensagem de Cristo, mas não entendia, pois suas mentes estavam obscurecidas pelos cuidados do mundo, eu e você também corremos o risco de obscurecer nosso coração se não colocarmos a vontade de Deus e a sua Palavra acima de tudo em nossas vidas.

Não há outra alternativa ao discípulo, ou ele é solo fértil, ou não serve para o Reino.