Jesus nos ensina a amar ao próximo como amamos a nós mesmos e, ao ser questionado sobre quem seria o próximo, o Senhor apresenta a parábola do bom samaritano, um homem que era odiado pelos judeus, mesmo assim amou aquele que lhe perseguia e desprezava cuidando de seus ferimentos.

Muitas vezes classificamos apenas nossos amigos, parentes ou pessoas de nosso convívio como o “próximo”, em alguns casos adicionamos algum necessitado, alguém que está à margem da sociedade. Mas Jesus vai além e insere nessa lista nossos inimigos e aquele que nos perseguem.

Não é fácil ou natural amar aquele que nos persegue, que se opõe à nossa fé, e nunca seremos capazes de cumprir o mandamento de Cristo se nossos olhos estiverem apenas neste mundo, se tudo o que cremos se resume apenas à essa vida.

A motivação para o discípulo amar aquele que lhe persegue ou orar pelo que lhe maltrata não está no reconhecimento deste mundo, na realidade o mundo valoriza aquele que revida o mal.

O discípulo olha para a eternidade, onde todo o sofrimento e dor será convertido em glória, onde as lágrimas derramadas neste mundo não serão mais lembradas e onde não haverá mais inimigo algum.

Você nunca será capaz de amar aqueles que lhe perseguem enquanto seus olhos estiverem fixos neste mundo, enquanto sua vida estiver de acordo com os padrões desta sociedade, somente aquele que deixa a eternidade brilhar em seu coração é capaz de amar seus inimigos.

Hey, não perca a oportunidade de obedecer aos mandamentos de Jesus e, na eternidade, desfrutar dos galardões, peça a Ele que lhe auxilie a amar não apenas seus amigos, mas também seus inimigos.

Que Deus lhe abençoe e até amanhã em mais um #LittleDevocional.