Diante da aparente bonança e tranquilidade que os ímpios desfrutam a vida, Asafe se perturba. Enquanto os justos padecem, sofrem e levam uma vida difícil, os ímpios até mesmo na hora da morte estão tranquilos.

O salmista declara que os pés dele quase se desviaram (v. 2), mas então quando chegou na presença de Deus ele compreendeu o fim deles e então percebeu que o mais importante não é a bonança de uma vida inteira, mas a segurança eterna em Cristo.

Ainda hoje parece que vemos o mesmo cenário, de um lado os ímpios que aproveitam do melhor desta vida, são prósperos, nada lhes falta, enquanto que do outro lado estão os justos, muitas vezes com uma vida difícil e sofrida.

A mente humana logo questiona a validade da fé, uma vez que ela não torna necessariamente a vida do homem mais tranquila e prazerosa.

Contudo, assim como Asafe observou milênios atrás ao se prostrar diante do Altíssimo, embora os ímpios possam desfrutar de todos os prazeres e confortos deste mundo, na hora da morte, nada disso lhes garantirá a salvação eterna.

Por isso, não se perturbe com o que os ímpios conquistaram, mas que no Grande Dia não será capaz de comprar a salvação, se aquiete em Deus e seja grato por Ele ter te dado o mais importante: a salvação da sua alma.

Que Deus lhe abençoe e até amanhã em mais um #LittleDevocional.