Embora os reis se levantem, os povos se rebelem e os corações desejem se emancipar do domínio de Deus (v. 2,3) o salmista declara que nada fugirá do governo do Senhor (v. 9).

O espírito de nossa época não é tão diferente, vemos homens e mulheres desejando se livrar de Deus, tomar as rédeas de suas próprias vidas crendo que não irão prestar contas a Ele. Contudo o salmista é incisivo ao encerrar o salmo.

Ele orienta "beijai o Filho, para que não se ire, e pereçais no caminho". A analogia feita aqui nos remete à reverência que era prestada pelos súditos ao rei. Somos chamados para reverenciar ao Ungido de Deus e desfrutar da bem-aventurança contida na obediência à Palavra.

Enquanto os ímpios, guiados por seu coração endurecido, se rebelam contra o rei (v. 3) e acendem a ira do Senhor, os justos são chamados de bem-aventurados, pois reconhecem a sua fragilidade, necessidade e dependência do Pai.

Neste dia somos convidados pelo salmista a nos prostrar diante dEle e descansar na promessa de bem-aventurança eterna.

Que Deus lhe abençoe e até amanhã em mais um #LittleDevocional.