Quantos já não ouviram acerca do “amor próprio” ou “amar a si mesmo”, não precisamos ir muito longe para percebermos o quanto a nossa geração valoriza o amor a si mesmo.

Não há problema amarmos a nós mesmos, desde que o façamos conforme as Escrituras: “Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo” (Lucas 10:27).

Perceba que o padrão de amor próprio está vinculado ao amor que eu tenho pelo próximo, devo amar ao outro assim como eu amo a mim mesmo, nem mais, nem menos, mas de maneira igual e só somos capazes de exercitar esse amor quando, antes de tudo, amamos ao Senhor Deus, pois à medida que O amamos e o seguimos passamos a compreender a Sua vontade e o Seu querer.

O Apóstolo Paulo nos alerta para o fato de que a raiz de todo pecado e de toda transgressão à vontade de Deus se encontra no amor próprio corrompido. “... haverá homens amantes de si mesmos”.

Vivemos em uma geração marcada pelo hedonismo, ou seja, pela busca do prazer, pela exaltação do ego e pela supervalorização da vontade, devemos tomar muito cuidado, pois o verdadeiro amor próprio parte da renúncia pessoal, da submissão da vontade à Vontade de Deus e da compreensão de que, somente em Jesus, encontraremos o verdadeiro sentido da vida.

Lembre-se de que você só será capaz de amar a sim mesmo quando, de verdade, passar a amar ao Senhor Jesus.

Que Deus lhe abençoe e até amanhã em mais um #LittleDevocional.