Ao registrar o seu chamado para o ministério, o profeta Isaías descreve como o Senhor o encontrou e lhe deu uma noção de seu estado humano, mais ou menos como aconteceu com Paulo no caminho para Damasco.

Isaías viu a glória de Deus e a sua majestade santa e imediatamente percebeu que, como pecador, ele iria morrer (v. 5), nenhum homem que vê a majestade de Deus pode subsistir. E, sabendo disso, o Senhor lhe prepara u meio de purificação (v. 6).

Sempre que falamos que Deus é Santo nos vêm à mente a ideia de que a Sua santidade faz parte de uma lista de atributos, tal como sua onisciência, onipresença etc. No entanto, a santidade de Deus não é um mero atributo de Sua Pessoa.

Ele é Santo, pois é separado, é diferente de nós, é completamente puro, é intocável pelo pecado. Só sabemos o que é ser santo porque há um Deus santo que define o padrão. Ele é a fonte da santidade.

Seu amor é um amor santo, sua justiça é uma justiça santa, sua ira é uma ira santa. Tudo nEle é santo, pois Ele é santo. Pare e pense por um minuto o que isso significa.

Às vezes nos esquecemos do fato de que a Santidade de Deus exige a punição do pecado e, muitas vezes, reduzimos a santidade dEle ao aumentar outros atributos como a sua misericórdia e o amor, por exemplo.

Mas quando percebemos que estamos diante do Santo, Aquele que está na luz inacessível, compreendemos a nossa pequenez e a nossa dependência dEle.

Hey, lembre-se que o Senhor é Santo e que Ele mesmo declarou para que sejamos santos, pois sem santidade ninguém o verá.Que Deus lhe abençoe.