Após todos os amigos de Jó o acusarem, após o próprio Jó se defender deles e questionar inúmeras vezes a Deus o motivo dele estar passando por aquele sofrimento, o Senhor aparece a ele, mas ao contrário do que se esperava, Deus não responde nenhum de seus questionamentos.

Pelo contrário, Deus questiona Jó. Os capítulos seguintes são maravilhosos, pois Deus indaga a Jó sobre os segredos de Sua criação, mas os versos 25 ao 27 me saltam aos olhos.

Deus pergunta quem abre as comportas da inundação e o caminho dos trovões para regar a terra onde não há homem algum.

Milênios após este diálogo, ainda há lugares em nosso planeta que permanecem intocáveis, onde homem algum jamais esteve. E, mesmo nestes lugares, Deus faz chover sobre a relva.

Estes versos nos revelam não apenas o poder soberano de Deus sobre Sua criação e Sua glória e grandiosidade, mas também nos apresenta Sua mão misericordiosa que sustenta todo o universo.

O Deus que faz chover em terras onde não há habitantes é o mesmo Deus que lhe sustenta nas palmas de Sua mão.

Que o Senhor lhe abençoe e até amanhã em mais um #LittleDevocional.