Quando lemos os evangelhos nos esbarramos com vários títulos concedidos ao Mestre, lemos que Ele é o Bom Pastor, a Porta, o Pão que desceu do céu, o Filho de Deus e também o Filho do homem.

Num primeiro momento podemos pensar que Jesus está simplesmente reforçando sua humanidade, relembrando Seus discípulos que Ele era homem. E muitos céticos tomam essa descrição do Mestre com o objetivo de negar a Sua divindade.

Contudo, Jesus não está apenas reafirmando sua natureza humana, Ele está evocando a profecia bíblica feita por Daniel e conforme escreve Dr. Lane Craig:

"Jesus não se referiu a si mesmo como "um filho do homem", mas como "o Filho do Homem". O uso que ele faz da frase com artigo definido "o" é consistente em todos os Evangelhos. Ao usar o rtigo definido, Jesus estava direcionando a atenção para a sua figura divina e ao mesmo tempo humana, profetizada em Daniel"

A figura e o peso profético por trás da expressão "filho do homem" não é a imagem de um ser humano fraco, indefeso e pequeno. Mas sim de alguém que se apresenta ao Ancião de Dias, ao próprio Deus Pai e recebe de Suas mãos o domínio sobre todas as coisas.

O profeta Daniel declara que o Seu reino não será destruído, Seu domínio será eterno e todos os povos, línguas e nações lhe servirá.

Agora todas as vezes que você ler sobre o Filho do Homem lembrará de Seu eterno domínio, soberania e poder!

Que Deus lhe abençoe e até amanhã em mais um #LittleDevocional.