Ao ser abordado pelo mancebo rico, que lhe questionava como ser salvo, Jesus lhe apresenta o caminho para herdar o reino dos céus. Ele deveria voltar, vender tudo, doar o dinheiro aos pobres e seguir a Jesus pelo caminho (v. 21).

Diante da resposta do Mestre o jovem se entristece muito, pois as Escrituras nos registra que ele era muito rico (v. 22). Diante disto Jesus declara aos discípulos o quão difícil é para aqueles que confiam em suas riquezas entrar no Reino dos céus (v. 24).

Há algumas explicações para a explicação do "camelo passar pelo fundo da agulha", mas para nós isso não será relevante e consideraremos apenas o fator da impossibilidade apresentada pelo Mestre.

Diante da resposta de Jesus, os discípulos se assombram, pois os ricos nos tempos do primeiro século eram considerados os favorecidos de Deus, aqueles sobre quem o auxílio do Senhor Todo Poderoso estava, se a salvação era impossível para os ricos o que seria então para eles, homens pobres da Galiléia.

Jesus novamente toma a palavra e declara que para nós, homens, é impossível nos salvar, mas para Deus não há nada que seja impossível (v. 27). O evangelista Lucas, inspirado por Deus, registra este evento no capítulo dezoito e, logo após, no capítulo dezenove descreve o impossível: o rico Zaqueu sendo salvo por Deus.

Isso nos revela a verdade que destrói todo nosso orgulho: não são nossos méritos ou obras que nos fornece a salvação, mas sim a misericórdia e a graça de Deus.

Jesus pediu para que o jovem rico deixasse suas riquezas, para nós Ele pede outras coisas e, se depender de nossa reação, não alcançaremos a salvação, iremos nos afastar dEle tristes como aquele jovem, mas debaixo da graça de Deus compreendemos que tudo o que deixamos neste mundo para seguir a Jesus será recompensado, com tribulações em vida, e na glória com a vida eterna (v. 29-30).

Que Deus lhe abençoe e até amanhã em mais um #LittleDevocional.