Ao escrever sua primeira carta o Apóstolo João declara que fomos alvos do amor de Deus quando nos tornamos Seus filhos.

Éramos inimigos de Deus, separados da promessa e filhos da ira, mas o Senhor em Sua infinita e incompreensível misericórdia nos adotou por meio do sangue de Cristo Jesus, Ele não apenas nos salvou de nosso estado de condenação, o que já seria maravilhoso, mas também nos concedeu o poder de sermos Seus filhos.

Saímos do estado de inimigos para filhos, para desfrutar da comunhão com o Pai e para assentar com Ele à mesa.

Diante dessa realidade maravilhosa o Apóstolo João só tem uma palavra para descrever a motivação por trás de tudo: o amor. O amor de Deus por nossas almas.

Mas não se trata do conceito diluído de amor que muitos cristãos têm pregado a fim de garantir popularidade e aceitação do mundo. O amor de Deus constrange o pecador e o move para fora da iniquidade, não é Deus falando "eu te amo como você está", mas sim "eu te amo e tenho algo melhor para você".

Pois Deus sendo um Pai amoroso não iria adotar um filho para o deixar se alimentando dos restos do mundo, em sujeira e depravação. Mas sim para retirá-lo do pecado, purifica-lo, justifica-lo e para se assentar com ele à mesa.

Quão grande é o amor de Deus.

Que Deus lhe abençoe e até amanhã em mais um #LittleDevocional.