O salmo 139 é considerado por alguns o ápice teológico do saltério [1], pois expressa de forma profunda e intensa o poder e a glória do Senhor e o relacionamento pessoal entre o salmista e Deus.

Ao se ver diante da onisciência (v. 1-6), onipresença (v. 7-12), presciência (v. 13-18) e do juízo de Deus (v. 19-20) o salmista roga para que o Senhor sonde seu coração, prove suas intenções e pensamentos a fim de lhe revelar o mal oculto que há em seu coração.

Sabendo que não havia um milímetro de sua vida que não fosse conhecido pelo Senhor, o salmista roga para que Ele lhe remova de seus olhos a visão viciada de si mesmo. Somente Deus poderia olhar no mais profundo íntimo do salmista e encontrar os caminhos maus sem que seu coração corrompido lhe atrapalhasse.

Nossos caminhos e toda nossa vida estão diante do Deus Todo-Poderoso, Ele nos formou, teceu cada uma de nossas células no oculto e quando ainda éramos informes Ele já escrevia tudo em Seu livro.

Ele nos conhece por completo, sabe cada um de nossos pensamentos e conhece cada um dos ídolos que temos em nosso coração e que nossa consciência nem tem noção de sua existência.

Por isso, assim como o salmista, devemos rogar para que Ele sonde, prove e conheça nossos pensamentos a fim de nos revelar o que há de pecaminoso em nós e de nos alinhar aos caminhos eternos.

Que Deus lhe abençoe e até amanhã em mais um #LittleDevocional

...

[1] HARRISON, Everett F. Comentário Bíblico Moody: volume 1. Organizado por Mark A. Swedberg. Tradução de Yolanda M. Krievin. 2 ed. São Paulo: Batista Regular do Brasil, 2017.