Os cristãos de Corinto tinham dúvidas quanto ao comer carne, talvez a gente não consiga entender, pois nenhum açougue sacrifica a carne, mas naquela época era comum que comerciantes sacrificassem a ídolos específicos.

E, ao se converterem ao Senhor Jesus, os irmãos da igreja de Corinto tinham dúvidas se podiam ou não comer da carne que, normalmente, era sacrificada. O Apóstolo Paulo declara que eles poderiam comer, pois o ídolo nada é e só há um Deus, mas ele coloca um ponto a ser observado: o escândalo.

Paulo não está falando do escândalo que a gente tem em mente: da igreja com os olhos arregalados e queixo caído. O escândalo a que ele se refere é mais sério do que isso, trata-se de fazer o outro cair e abandonar a fé.

Não havia problema os irmãos de Corinto comerem da carne sacrificada aos ídolos, mas como ficaria a consciência daquele que, antes de converter, vivia preso na idolatria e convém lembrar que os cultos aos ídolos não se limitavam aos sacrifícios, mas era cheio de imoralidade sexual.

Agora imagine um novo convertido que está, aos poucos, se limpando de seu passado e, de repente, se depara com um irmão na fé comendo daquilo que foi oferecido aos ídolos.

Há dezenas de atitudes e práticas, hoje, que em si mesmas não há pecado algum em realiza-las, porém, será que ao fazê-las não estamos induzindo os fracos ao erro?

E aqui chegamos ao ponto que parte da Igreja não está disposta a aceitar. Toda vez que falamos de escândalos o problema é sempre daquele que se escandaliza, mas Paulo diz o contrário!

Se algo que faço, em minha liberdade, escandaliza meu irmão e o faz pecar, eu simplesmente negarei a mim mesmo em prol do Corpo de Cristo e por amor ao sacrifício de Jesus.

Que Deus lhe abençoe e até amanhã em mais um #LittleDevocional.