Para nós, cristãos, o conceito de oferta é bastante comum, sabemos que a expansão do Reino de Deus se dá através das ofertas de seu povo. E não estou falando apenas de dinheiro, mas quando você dispõe de tempo para anunciar o evangelho você também está ofertando ao Reino algo.

Na realidade o cerne do cristianismo se encontra na abnegação própria e no servir ao próximo em prol do crescimento do Reino. Porém nem sempre isso é aceitável diante de Deus.

A oferta passa a ser perigosa quando nos esquecemos de que tudo o que possuímos provém do Senhor e que tudo o que damos a Ele é dEle mesmo. Seria como um filho que pede uma quantia ao pai para comprar um presente de dia dos pais. Assim somos nós! Tudo o que oferecemos ao Senhor provém dEle mesmo.

Ai você poderia se questionar: então qual o motivo de oferecer ao Senhor aquilo que temos? Ou então: se tudo é de Deus porque preciso oferecer algo a Ele?

A resposta está exatamente no que o Senhor mais prioriza e encontramos em vários textos bíblicos: a gratidão.

Quando o filho compra o presente para seu pai com o dinheiro que ele lhe deu, a virtude não está no valor gasto, mas na disposição do filho em oferecer ao pai algo que represente tudo, ou pelo menos parte daquilo que ele sente, parte de seu amor.

Quando dispomos de nossos bens, de nosso tempo, dons e talentos e os oferecemos ao Senhor devemos ter em mente que nada disso é nosso, mas que se Ele nos concedeu é para um propósito: glorificar o Seu Nome.

Hey, você não tem o direito de se gloriar daquilo que possuí, pelo contrário, aquilo que possuí tem como único objetivo exaltar a Deus e ser utilizado para o Reino Eterno. E, quando compreendemos que nada provém de nós mesmos, passamos a entender que não somos o centro de nada e não somos superiores a ninguém.

Jamais se esqueça que tudo vem de Deus e tudo que damos a Ele provém de Suas próprias mãos.

Que Deus lhe abençoe e até amanhã em mais um #LittleDevocional