Jesus havia acabado de chegar em Cafarnaum e um centurião, sabendo de sua presença na cidade, roga que Ele cure seu servo (v. 6), mas não se julga importante o suficiente para que o Mestre interrompa suas atividades e vá até a sua casa.

Sendo uma autoridade, mesmo que de baixa patente, o centurião reconhece que da mesma forma que suas palavras são obedecidas pelos seus servos, as palavras de Jesus, sendo Ele uma autoridade, também seriam cumpridas.

O evangelista Mateus registra que o Mestre se maravilhou com a fé daquele homem. Muito provavelmente o centurião não era nem mesmo um prosélito (um gentio convertido ao judaísmo) e ainda assim confiou no Senhor Jesus.

Embora Jesus fosse onisciente a declaração de que ele se maravilhou nos revela seu lado humano e não apenas isso, mas também seu coração amoroso e gracioso que se alegra em ver a fé em seus discípulos.

Diante disso Jesus responde declarando que no Reino dos céus entrarão muitos do ocidente e do oriente e se assentarão junto de Abraão, Isaque e Jacó, enquanto que os filhos do reino ficarão de fora (v. 12).

Esta declaração não está solta no contexto, pelo contrário, enquanto os judeus se recusavam em aceitar a mensagem de Jesus, sendo eles o povo da promessa, um gentio abertamente se dobra aos pés do Senhor e reconhece Sua autoridade sobre toda a criação.

Somente pela fé alcançaremos a promessa, somente pela fé nos assentaremos à mesa com Abraão, Isaque e Jacó.

Que Deus lhe abençoe e até amanhã em mais um #LittleDevocional.