Jesus apresenta  dois cenários aos discípulos, o primeiro é de um homem que pretende construir uma torre (v. 28-30) e o segundo de um rei que está pronto para sair à batalha (v. 31-32), com o objetivo de chamar a atenção de seus ouvintes para o ensino que Ele iria apresentar.

Assim como o homem que se assenta para verificar os custos da construção e o rei que se aconselha para saber se o ideal seria ir para a guerra ou assinar acordos de paz, todo aquele que pretende seguir ao Senhor Jesus deve considerar os custos do discipulado.

Billy Graham certa vez disse "A Salvação é de graça, mas o discipulado custa tudo o que temos". Quando falamos em renúncia logo pensamos em pecado, mas Jesus é enfático, Ele deseja que renunciemos tudo.

Somos chamados para renunciar nossa carne, nossas vontades, nossa justiça, nossos direitos, nossa bondade, enfim devemos renunciar tudo que há em nós e colocar tudo o que possuímos à disposição do Reino para que então possamos caminhar com o Mestre e aprender dEle.

Assim como o homem que seria envergonhado por começar a construir a torre e não conseguir terminá-la por falta de dinheiro ou o rei que saindo à batalha sem avaliar o inimigo poderia ser humilhado, assim também é o discípulo que não nega tudo, não serve nem para ser adubo (v. 34), nem mesmo para ser jogado no lixo (v. 35)

Que Deus lhe abençoe e até amanhã em mais um #LittleDevocional.