Após receber, de uma só vez, que havia perdido todos os seus bens e todos os seus filhos, Jó reconhece que não trouxe nada ao mundo quando nasceu e que, ao morrer, nada levaria dele.

Por isso seu coração não deveria estar depositado nos bens que havia conquistado, pois estes eram passageiros, efêmeros.

Jó nos ensina não apenas que o justo sofre, muitas vezes sem motivo aparente, mas também nos revela qual deve ser a nossa postura diante das dádivas que Deus nos concede em vida.

Devemos reconhecer que da mesma maneira que o Senhor nos dá Ele também tem o direito de nos tomar. Muitas vezes agradecemos apenas quando recebemos, nosso coração se alegra quando conquistamos e quando vencemos, mas Jó nos ensina que devemos nos alegrar também quando Ele toma aquilo que temos e quando perdemos o que conquistamos.

Muitos séculos depois o Apóstolo Paulo, escrevendo à Igreja em Roma, declara que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus. Paulo não tinha em mente apenas as vitórias cooperando para o nosso bem, mas também as derrotas, a dor e o sofrimento.

Deus dá, Deus toma, mas em tudo o nome dEle deve ser glorificado e em tudo a Sua soberana mão nos guia para o bem maior: a salvação de nossas almas.

Que Deus lhe abençoe e até segunda-feira em mais um #LittleDevocional.