Jesus havia acabado de alimentar milhares de pessoas milagrosamente, a multidão extasiada parte em direção a Ele a fim de coroa-lo como Rei, mas o Senhor conhecendo seus corações se afasta deles.

O Apóstolo João não insere esta declaração aleatoriamente, há um propósito nisto. Havia uma expectativa de que o Messias libertaria o povo da opressão romana, instituiria novamente o reino de Israel e se assentaria no trono de Davi.

Aquela multidão estava eufórica por causa do milagre, mas não era leal ao Senhor. No dia seguinte, a mesma multidão que aclamava o Mestre como Rei, o abandona por causa de Seu duro discurso (João 6:60-71).

Ao contrário do que aqueles homens imaginavam, Jesus não havia vindo para instituir um reinado físico, mas um Reino espiritual, um Reino mais poderoso do que o controle político de um rei, um reino mais poderoso do que o próprio Império Romano que os dominava, pois este Reino emancipa o ser humano do poder das trevas e o conduz para a luz eterna.

Diante deste escândalo, desta loucura para a mente humana, aqueles homens que estavam olhando simplesmente para o mundo sob uma perspectiva materialista e egocêntrica abandona o Rei dos reis.

Ainda hoje eu e você somos tentados a querer que Jesus seja coroado como Rei, mas não como Rei do Universo e sim como um monarca de um reino terreno, um reino que nos mantém em  nossa confortável vida terrena.

Mas não é para este reinado que Jesus nos chama, mas para um reinado que inicia em uma vida de abnegação pessoal e nos conduz para a glória e para a vontade soberana do Pai.

Que Deus lhe abençoe e até amanhã em mais um #LittleDevocional.