O Senhor Jesus, ao ser questionado por seus discípulos quando haveria de ser o fim de todas as coisas, apresenta alguns sinais que precederiam o fim.

Apareceriam falsos cristos, falsos profetas (v. 4, 5, 11), homens que pregariam um evangelho terreno, centrado no homem. Haveria guerras e rumores de guerras, nações contra nações e reinos contra reinos (v. 6), haveria fome, pestes e terremotos (v. 7).

Os discípulos seriam perseguidos, torturados e mortos simplesmente por seguirem a Cristo (v. 9). E, por fim, o Mestre nos alerta para o fato de que, por causa do aumento da iniquidade, o amor se esfriaria (v. 12), nunca se falou tanto sobre amor em nossa sociedade e nunca vimos uma sociedade que ame tão pouco como a nossa.

Diante deste cenário perturbador e caótico, Jesus oferece a esperança: “Mas aquele que perseverar até o fim será salvo”.

Frente à perseguição secular (seja no trabalho, nos meios de comunicação, nos centros acadêmicos etc.) o discípulo de Jesus é orientado a permanecer firme e fiel ao Senhor que o salvou. A perseverança o coloca em estado de alerta, de prontidão.

Enquanto todo o mundo se distrai com os afazeres cotidianos, com os prazeres deste mundo, o discípulo permanece alerta, pois como nos dias de Noé assim será também na vinda de Cristo. Ninguém esperará, será de surpresa!

Hey, não recue, não abandone os princípios do Reino, não olhe para trás! Não importa se isso lhe custe amizades, dinheiro, reputação ou até mesmo a própria vida. Persevere até o fim.

Que Deus lhe abençoe e até amanhã em mais um #LittleDevocional.