O Evangelista Lucas registra que Jesus, ao chegar em Cafarnaum, é abordado por alguns anciãos da cidade que lhe rogava em favor de um gentio, um centurião romano. Mas ao chegar próximo à casa do centurião, este envia alguns amigos pedindo para que o Mestre não entrasse em sua casa, mas apenas dissesse uma palavra.

Ao contrário do que podemos entender, o centurião não estava exigindo algo de Jesus, ou forçando-o a obedecer suas palavras. Na realidade as palavras do centurião nos revelam a profundidade de sua fé no Mestre.

Aquele homem havia entendido que, assim como ele possuía autoridade sobre soldados e servos, Jesus sendo o Senhor de todas as coisas tinha sob sua Soberana Autoridade todo o universo.

E, diante desta compreensão, o centurião se vê constrangido diante da Pessoa de Cristo, ele percebe o quão pequeno e indigno é e, por isso, roga para que o Mestre não entre em sua casa.

O registro bíblico, ao contrário do que os adeptos da confissão positiva ou da teologia da prosperidade, não nos indica que o centurião impôs sua vontade sobre Jesus, dizendo-o o que Ele deveria ou não fazer, mas sim que ele diante da compreensão da grandiosidade e do poder dAquele homem que se aproximava, sente-se indigno de vê-lo, mas se contenta com Sua Soberana Palavra.

Que Deus lhe abençoe e até amanhã em mais um #LittleDevocional.